RECOMENDAÇÕES PARA UMA BOA MARCHA - 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

RECOMENDAÇÕES PARA UMA BOA MARCHA - 2

Mensagem  José Monteiro em 2008-04-16, 15:35

VESTUÁRIO E CALÇADO

Conforme havia referido em "RECOMENDAÇÕES PARA UMA BOA MARCHA - 1", está temática foi dividida em duas partes, sendo esta a segunda, em que iremos abordar em mais pormenor a questão das meias e calçado.


AS MEIAS

A escolha das meias é também de vital importância. Estas devem:

  • proteger contra os choques

  • ser confortáveis e reforçadas a nível do calcanhar

  • reduzir a formação de bolhas

  • reduzir as pressões

  • não alterar a circulação sanguínea

  • ter uma forma anatómica

  • ajudar a estabilizar o pé


As meias sintéticas em diferentes matérias estão destinadas ao calçado com palmilha inserida.
As meias 100% de lã são menos utilizadas, por motivos de pouca resistência ao uso e fraca capacidade de evaporar a transpiração.




O CALÇADO

Para todos os praticantes de actividades de ar livre, desde o simples praticante de pedestrianismo ao alpinista, passando pelo escalador que muitas vezes tem de efectuar marchas de aproximação até à base das vias, é extremamente importante a escolha do calçado. Se em marchas pequenas e fáceis a utilização de sapatilhas pode ser aceitável, em percursos de longa duração, terreno muito acidentado, neve ou chuva, é importante a escolha de calçado específico que garanta o conforto e a protecção necessária.
Actualmente o uso de materiais sintéticos no calçado de montanha permitem confeccionar botas mais leves, mais confortáveis e baratas e de manutenção mais simples. O uso de membranas semi-permeáveis, como o “Gore-Tex” passaram a conferir uma impermeabilidade superior à do couro tratado.
Nos dias de hoje, tanto se utilizam modelos inteiramente em couro como em fibra sintética ou combinados. Na realidade há vantagens e desvantagens em ambas as opções, sendo que a escolha deverá ser influenciada, sobretudo, pelo uso e destino que vamos dar a esse calçado.


VANTAGENS E INCONVENIENTES DE CADA TIPO DE CALÇADO

Botas de Couro

• Mais resistentes e duradouras que as de fibra sintética
• Se forem de sola semi ou totalmente rígida, podem ser usadas com crampons (para neve)
• Mais pesadas, mais caras, demoram mais tempo a secar e demoram a moldar-se ao pé.
• Exigem muita manutenção.
• Antes de efectuar uma grande marcha, devem ser “moldadas” ao pé.
• Não devem ser guardadas com humidade e a sua secagem não deve ser efectuada perante fontes de calor excessivo para que o couro não fissure e se deteriore facilmente. Depois de totalmente secas, devem ser escovadas e posteriormente impregnadas com nova camada de “graxa de silicone” ou produto de tratamento e impermeabilização.
• Estas botas na sua versão semi-rígida, ainda continuam a ser as mais polivalentes, sendo as mais aconselháveis para quem pretende comprar apenas um único par, para uso em marcha estival e/ou com crampons e até mesmo em pequenas escaladas em gelo.


Botas em material sintético

• Mais leves e confortáveis que as botas de couro.
• Não exigem grande adaptação ao pé porque já são suficientemente maleáveis.
• Manutenção: basta serem secas ao ar e escovadas.
• Não são tão versáteis como as botas de couro semi-rígidas.
• Menos resistentes que as botas de couro.
• Mais baratas.
• Mais porosas, logo menos impermeáveis (a não ser que na sua confecção tenha qualquer partícula permeável (do tipo Gore-Tex…))


As películas semi-permeáveis ou os tratamentos químicos, que garantem a impermeabilidade das botas sintéticas ou de couro, nem sempre têm performances iguais. Apesar dos seus nomes comerciais muito semelhantes - normalmente terminados com o sufixo “tex” - e das inúmeras qualidades referidas pelas marcas, algumas há que não “respiram“ o suficiente ou têm pouca impermeabilidade. Quanto a estas membranas é de salientar que não resistem muito tempo e acabam por, gradualmente, perder as suas características.


O QUE PROCURAR AOS COMPRAR

Independentemente de serem botas de couro ou sintéticas, é importante que o modelo escolhido tenha as seguintes características:
• Conforto;
• Elevada resistência, de preferência com reforços nas zonas de maior desgaste (biqueira e calcanhares…);
• Sola grossa (quanto mais espessa, menos se sentirão as pequenas pedras e irregularidade do terreno), preferencialmente com amortecedor de impactos, com relevo profundo e em borracha com boa aderência (algumas solas são feitas em plástico ou borracha muito dura e pouco aderente);
• Cano acolchoado, que suba um pouco acima da linha do tornozelo (aumenta o conforto e reduz o risco de entorses);
• Pouco peso;
• Impermeáveis, o que implica terem inserções de películas semi-permeáveis, ou tratamento com induções químicas (cuidado com os sucedâneos e imitações do Gore-Tex);
• Se apenas se destinarem à marcha sem crampons, devem ter sola totalmente flexível ou, em alternativa, semi-rígida;
• Devem ser de um tamanho que nos possibilite usar confortavelmente dois pares de meias sem que o pé fique demasiado comprimido. Atenção a este pormenor e lembre-se que os pés normalmente aumentam de volume com o esforço.



Bota de Couro


Bota Sintética


Este trabalho constitui parte do Módulo "Logística e Técnicas de Campo", que leccionei já este ano, integrado numa acção de Formação de Animadores de Programas de Lazer e Natureza, que decorreu em Nisa.

José Monteiro

Mensagens : 6
Data de inscrição : 11/04/2008
Idade : 53
Localização : NISA

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum